Posts Tagged ‘publicidade’

A blogosfera está brocha.

setembro 6, 2009

Convido-vos a fazer um experimento: abram vossos leitores de feeds (netvibes, google reader ou aquele que mais lhe apetece) e chequem a quantidade de blogs insuportavelmente iguais. Eles falam a mesma besteira, com as mesmas palavras, os mesmos exemplos. O pessoal acha que blogar é fácil. Basta fazer uma pesquisinha medíocre e pronto, sentimento límpido e risonho de que se está contribuindo com a blogosfera e, logo, com a formação de uma sociedade melhor! Sociedade melhor my ass.

Blog que anda igual bêbado com labirintite se encontra aos milhões. Pessoal posta o que dá na cabeça, aliás, o que dá nos  outros blogs.  Semana passada, rodou na panelinha publicitária o episódio da campanha patética da DM9/11 para a WWF. O que mais se viu foi fofoquinha de adolescente: “Geente, vocês viram a campanha que fazia uma brincadeirinha com o 11 de setembro? Ainda não?? Então click aqui, galera!”

Poucos se propuseram a analisar o momento, checar a veracidade dos fatos, condenar, apoiar,  aplicar um ponto de vista ao assunto. Isso dá trabalho. Pesquisar dá trabalho. Pensar dá trabalho. Se a intenção é somente ficar por dentro do que os outros estão dizendo, maravilha. Mas aí não é preciso colecionar blogs. Basta acessar o brainstorm9 e tá tudo resolvido. Por que diabos se dar ao trabalho de copiar um blog já famoso? Me parece de uma acefalia tremenda.

Quanto ao Café com Coca, não contamos o sucesso do blog pela frequência de posts. Isso a gente deixa para os adolescentes já citados. Nossa intenção é proporcionar raciocínio, explicitar opiniões, bater e, consequentemente,  dar a cara a tapa. O resultado disso tudo é evidente. Praticamente quadruplicamos nosso número médio de visitas diárias e sempre recebemos menções positivas de leitores e outros blogs.

Não estou dizendo que somos os donos da verdade, mesmo porque verdades, quando existem, dependem do referencial. Só acredito que copiar não é blogar e gerar conteúdo não é tão simples quanto embedar imagens e vídeos.

Anúncios

Nunca foi tão fácil ser publicitário.

agosto 23, 2009

É isso mesmo. Nunca foi tão fácil ser publicitário. Me parece que o pessoal perdeu o zelo pelo bom trabalho. Não tô falando de ninguém em específico, mas sim das peças que vejo. Poucos têm a ânsia escrota de produzir algo foda, de não deixar “i” nenhum sem pingo.

Isso acaba por influir na maneira dos estudantes de Publicidade pensarem. Sinceramente? Acho que estudante de publicidade é a espécie animal mais preguiçosa e topetuda que existe. Negada tem todas as ferramentas mas fica coçando o toba, pra depois cheirar, numa infindável tentativa de pegar oxiurose pelas narinas. Eles não têm ideia do arrependimento que terão daqui a alguns anos.

E quando eu digo que nunca foi tão fácil ser publicitário, quero dizer que as coisas não andam bem. Quem é ruim não tenta ser bom. Quem é bom não tenta ser foda, e por aí vai. As pessoas que lêem este post agora podem ter uma certeza: se neste exato momento vocês botarem na cabeça que precisam se esforçar pra crescer, já estarão na frente da grande maioria, daqueles 80% que teimam em acreditar que pertencem a esse meio.

A minha visão é que esforço é meio caminho andando nessa profissão. Peguem Ogilvy, Luke Sullivan e David Droga como exemplos. Todos tinham mentes privilegiadas e, exatamente por este motivo, não se davam ao luxo de fazer pouca bosta.

Independente da área, a questão é se dedicar de modo a estruturar o senso crítico e alimentar a mente. Informação é o pré-requisito de todo publicitário. Apenas o prazo deve ser o fator limitante. Assim como o André Matarazzo, CEO da gringo, eu tendo a acreditar que nossa profissão é uma das mais meritocráticas, isto é, não há desculpas para ficar parado.

Talvez vocë esteja pensando: quem esse maluco tá pensando que é pra falar essas coisas? Eu realmente não sou nada. Ainda não. E por isso deixo em aberto: ou tem algo muito errado com nossa profissão, mais especificamente com nossos profissionais, ou eu sou estupidamente míope e vejo estrume onde não há.